8 Regras Básicas Para Um Relacionamento Duradouro

Uma dúvida que gira na cabeça de muitos casais é a de como manter o “felizes para sempre”, e quem questiona isso não está errado. Aliás, cada vez surgem mais e mais razões para se questionar o que fazer para construir um relacionamento duradouro.

Anúncio

Vamos considerar apenas as redes sociais no quesito de oferta de tentações. Sim, porque grande parte dos relacionamentos termina não diferenças irreconciliáveis e sim por traição.

Como se uma relação pudesse ser posta numa bancada de mercado, sendo negociada por oferta e procura. A maioria dos relacionamentos que envolvem pessoas abaixo dos 40 anos não sobrevive à primeira grande crise. A pergunta é: por quê? A falta de maturidade de vida e emocional responde, na maioria das vezes.

Anúncio

Mas a verdade é que a troca ou a dispensa de um parceiro ocorre muito facilmente, sem que se invista em uma conversa coesa, cara a cara. Levando a gente a pensar que os sentimentos passaram a ser muito superficiais.

Então o que se encontra para amparas qualquer discussão acerta de relacionamentos duradouros é, sem dúvida, estabelecer limites e regras antes dele iniciar.


Mas infelizmente a empolgação inicial faz alguns casais pularem essa etapa e só retornarem a ela quando um conflito já foi estabelecido. Aí passa a ser uma ação antichamas, e, na verdade, não deveria ser assim. Para que situações como essa possam ser evitadas, o casal deve estar sempre aberto para as conversas – discutir a relação.

Como estabelecer regras no casamento?

VEJA TAMBÉM

Estabelecer a dois os limites saudáveis e regras de convivência é importante, nos relacionamentos.

Isso feito de forma clara, objetiva, levando-se em conta os sentimentos das duas partes, uma gama enorme de situações adversas é evitada com antecedência.

1 – Reciprocidade: a principal regra a seguir é não submeter o companheiro a uma situação na qual você não gostaria de estar. Isso pressupõe respeito pelo outro, em primeira mão.

2 – Responsabilidade: outra parte importante é a divisão das responsabilidades. Enquanto existe apenas o casal, definir de forma justa quem é responsável por o que: pagamentos de despesas fixas, pagamentos de despesas extras, divisão coerente de tarefas da casa, entre outras.

3 – Respeito: esse ítem é fundamental. Aqui entram questões como privacidade, individualidade, convívio com familiares, convívio com amigos, convívio íntimo do casal. É difícil falar, mas pense em uma situação ambos são submetidos à extensa jornada de trabalho diário: como se dará a intimidade deles, de forma satisfatória para ambos? É preciso conversar sobre esse ponto, com certeza.

4 – Direitos: aí passamos para a questão dos direitos, onde deve ser abordado a questão do poder de decisão para quaisquer questões que surjam.

É inegável que em dois, o querer e/ou o abdicar estarão sendo constantemente postos em xeque. O melhor conselho é que se use do bom senso, coerência, companheirismo entre outras coisas que fazem parte do viver a dois.

5 – Proatividade: nesse quesito está a necessidade de não esperar sempre que o outro faça. De tomar iniciativa de forma que seja natural e revezada entre o casal.

Um bom exemplo é o ato de desculpar-se. Não espere o outro, peça desculpas.

Inicia a conversa difícil algumas vezes, para se manter sempre aberto e um mostrar ao outro que ambos querem solucionar os problemas, perdoar, virar a página e seguir em frente.

6 – Dizer não: é um direito garantido para qualquer lado e nunca deve ser motivo de discussões prolongadas.

Tenha em mente que você existia antes de viver com essa pessoa e ela também, portanto se surgir uma atividade em que um não se disponha a fazer que não haja impeditivo para o que quer fazer.

Esse mesmo critério se aplica para as intimidades e sexo. E não deve gerar mal-estar.



7 – Bom caráter: essa é uma qualidade que ambos devem ter. Além de ser bom caráter, essa crença precisa ser forte. Pois isso envolve lealdade, sinceridade, fidelidade e integridade entre ambos, ou consigo mesmo.

8 – Forma certa de agir em um conflito: não é difícil entender os casos de relacionamentos que dão certo. É possível que o casal nunca tenha tido uma briga.

Claro que não! Mas é a forma de agir que garante que o conflito se resolva e que o casal saía dele mais fortalecido. Como? Ponderar antes de falar, evitar reações explosivas, manter o autocontrole, evitar agir por impulso são práticas que costumam funcionar.

O que fazer para ser mais feliz no relacionamento?

 Para ser feliz no relacionamento a melhor coisa é ter e dar paz. Um ambiente cheio de brigas e discussões é tóxico. Em lugar onde a paz reina tudo flui melhor. Buscar ativamente alcançar este estágio de convivência é a maior garantia de longevidade em um relacionamento.

Preserve o bom diálogo, evite dormir brigados ou com raiva um do outro, procure conhecer melhor o companheiro, questione sem julgamentos quando uma atitude não fizer sentido, dê apoio e confie em seu companheiro.

Chegando aqui, você pode ter a certeza de que está no caminho certo para ser mais felizes.

Deixe um comentário